quinta-feira, 23 de abril de 2020

Dia Mundial do Livro





                                   Dia Mundial do Livro


Decorre, hoje, o dia mundial do livro.
Celebração quase irreal neste nosso tempo virado do avesso.
Não há livros nas ruas, feiras e escolas.
Confinado acabou  por ficar o livro sujeito, ele também, a sobreviver no digital.
Um livro é um objeto mágico.
Ler uma estória é habitá-la e quando acaba, continuar a vive-la  como um
sonho breve, nos escaninhos da memória.
Livros e leituras a povoarem o dia de hoje...
Texto de Maria Carolina Terra
       



    Os livros que ficaram cá em casa, talvez à espera que um neto ou neta  os vão ler...



Os livros que leio ou consulto com prequência...                                                       

Os livros de culinária são mais para enfeitar. Na hora de cozinhar, as receitas raramente são aplicadas!

Um dos livros que mais consulto para estudar as plantas silvestres...                           


Um livro especial que foi oferta da nossa querida amiga Carolina, no mês de Janeiro.








Fotografias; maiordesessenta.blogspot.pt

sexta-feira, 10 de abril de 2020

Em tempos de pandemia

Os nossos dias...


Anoitece...
O branco da cal das paredes e o vermelho do telhados cobrem-se de sombras.
Em voos apressados, as andorinhas recolhem-se aos ninhos dos beirais.
Os pardais disputam ruidosamente um lugar nos ramos das árvores do jardim.
O concerto dos pintassilgos já terminou mas os melros ainda cantam.
Deste cantinho olho o céu, uns dias ainda com resquícios de azul e nuvens coloridas, outros dias cinzento de chumbo.
E aqui fico até que o sol despareça na linha do horizonte e a noite caia.
Nada me leva a ter pressa.
As árvores do jardim ficam camufladas no escuro.
Depois o silêncio... 





























Embora por estes dias já não reconheça bem este mundo, nem o tempo que o tempo leva  a passar, quando o cinzento das nuvens deixa, é visível um pôr-do-sol diferente cada dia...
Estamos em casa há quatro semanas. 
Apenas duas  saídas de meia hora, por semana, para caminhar um pouco.
Fazer algumas compras de bens alimentares.
Precisamos de pouca coisa...
Pelas janelas ou na varanda vemos a rua, quase sempre deserta.
Mas temos sorte, muita sorte. 
Podemos ficar em casa.
Com muitas saudades dos que amamos e de quem estamos tão longe!



Para todos os que não podem ficar em casa e estão a trabalhar MUITO OBRIGADA!

Continuam a degladiar-se duas formas de vida: vírus e humanos.
Uma luta contra um inimigo invível acaba por ser mais desigual. 
E nós  só podemos ficar em casa enquanto muitos, na linha da frente, lutam por todos de tantas maneiras diferentes.
Claro que não vai ficar tudo bem!
Mais de um milhão e meio de pessoas estão infectadas.
Centenas de milhar morreram com esta (e outras) doenças!
Tudo o que era tido como certo e estável não significa mais nada.
Doença, solidão e desespero por falta de meios de subsistência afectam grande parte do mundo.
Gostava que houvesse uma luz de esperança para todos. 
Às vezes acredito, outras nem tanto...
Só o tempo e o que fizermos nesse tempo pode ajudar...
Mena