quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Olhares

 Os olhos do Gafanhoto!


         Ele olhou para mim com dois dos seus cinco olhos!

Eu olhei para ele ...

E pensei...

 Que lindos olhos castanhos às riscas!

Imóveis, eu e o gafanhoto, por alguns longos minutos.

E ouvio-o resmungar. 

"Quem é esta humana horrosa a olhar para mim!

Saí dali a correr e mirei-me no espelho.

O gafanhoto pode ter cinco mas deve ter falta de vista!

E eu também já vejo mal...


Mena


sábado, 2 de outubro de 2021

Outono

 Este dia de Outono passou depressa

Entre o nevoeiro e o cinzento da manhã 

E uma tarde em que o sol rasgou as nuvens 

 avivou as cores ainda verdes das folhas das árvores 

e o tapete colorido de folhas secas no chão ficou mais estaladiço.

A noite é longa e fria 

Passa devagar.

Mas na verdade, não é o tempo que passa

Nós é que passamos pelo tempo.

Também é Outono em mim!

Mas não desisto das manhãs de Primavera...





Mena





quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Árvores

 Albízia

São vários os nomes vulgares por que é conhecida esta árvore: árvore-de-seda, acácia-persa, mimosa...

Aliás é "prima " das acácias australianas. Pertence, tal como elas, à Família Fabaceae.

 O seu nome científico é Albizia julibrissin Durazz. 

Julibrissin significa flores de seda, em persa.

Albizia vem do nome do naturalista  Filippo degli Albizzi responsável pela introdução desta planta na Europa no século XVIII. 

Originária da região que vai desde o Irão até à China, esta árvore ornamental rapidamente se espalhou pelo mundo. 



Árvore de crescmento rápido, pode atingir até 15 metros de altura.



As suas flores não têm pétalas. Exalam um perfume suave que, de Junho a Setembro,  atrai abelhas  e borboletas.



De vez em quando o vento forte agitava os ramos das árvores e tornou difícil focar as fotografias.
Os ramos dançavam ao sabor do vento e os meus cabelos esvoaçavam também...

Havia frutos caídos no chão (vagens que contêm sementes impermeáveis).  Das sementes libertadas aconteceu a renovação da vida para esta espécie que, para se desenvolver, pouco mais pede que luz, algum calor  e água. Em troca dá-nos tanto!

Produz oxigénio, sombra e ainda nos encanta com a sua beleza...

Daqui a uns anos quando esta pequena planta for uma árvore "crescida", como estará este mundo que não é só nosso?

Será que continuaremos a lutar contra o mundo dos seres micoscópicos naturalmente existentes ou fabricados?

Será que os desastres ambientais, sempre existentes mas agora acelerados pela actividade humana, terão levado a que todos tenhamos adotpado comportamentos diferentes, ou continuaremos a caminho do desastre anunciado até a Terra  se livre desta "espécie invasora? 

Mas não posso só falar das árvores e da beleza das flores! E não quero falar mais dos vírus!

Neste Mundo com vários mundos dentro, em nome do poder, do dinheiro ou de um deus, muitos estão  a voltar à idade das trevas, outros nunca de lá saíram ...

Sorte a minha de ter nascido aqui (apesar de muito ainda estar por fazer e mudar)! 

Não é sorte existir e ter voz. É um direito.  Poder rir, cantar, correr e dançar... Sair na rua, vestir o que me apetecer,  olhar nos olhos dos outros e o mundo à minha volta.

Mas dói-me que a dor que apenas adivinho em tanta gente!

Há "coisas" piores que os vírus!

Mena  

sábado, 10 de julho de 2021

Afinal havia outra....

Surpresas!


A surpresa aconteceu no final de Maio!

Tinha caído uma chuvinha mansa  e deu-me para passear no quintal da mana mais velha. Gosto do cheiro da terra molhada e do efeito das gotas de chuva nas plantas e nas teias de aranha.

Mal sabia eu o que ira descobrir...

Na planta da arruda estava um lagarta linda e bem gorducha!

Coberta de gotas de chuva, tratava de comer as folhas verdes e viçosas sem grande preocupação de se esconder! As suas cores são um sinal de perigo para possíveis predadores, além de outras "armas" de que dispõe. Durante três dias fui espreitando as folhas da arruda para ver se a lagarta ainda lá estava.


Ao fim do terceiro dia descobri que afinal havia outra
Não era uma, eram duas lagartas de borboleta cauda-de-andorinha.
( O que é que estavam a pensar?)
Durante mais alguns dias fui vigiando as lagartas que estavam cada vez mais bonitas e luzidias! Depois, uma manhã, desapareceram sem deixar rasto.
Penso que foram construir o seu casulo a coberto de plantas maiores  que há por ali ou esconderam-se tão bem na arruda que não as vi!

Se tudo correr bem, a metamorfose vai completar-se e irão aparecer duas lindas borbletas cauda-de-andorinha. Com sorte, pode ser que ainda as veja a voar por ali.
Estas são fotografias de borboletas-cauda-de-andorinha de anos anteriores. 

Este ano só vi duas borboletas desta espécie a voar mas não consegui fotografá-las. A máquina tem pouco zoom, tinha de ficar perto e ao menor movimento elas fugiam. Muitas fotografias ficam desfocadas pois mesmo a alimentar-se bate as asas com frequência.

As borboletas cauda-de-andorinha alimentam-se de néctar das flores coloridas de plantas variadas como trevos e cardos mas todas as que consegui fotografar estavam a alimentar-se nas flores de várias espécies de  lantana. A borboleta irá por os seus ovos nas plantas preferidas pelas lagartas, a arruda, o funcho e outras umbelíferas. Assim, cerca de uma semana depois, quando nascerem, as lagartinhas só têm de comer e crescer! As pequenas lagartas, à medida que crescem, vão mudando de revestimento e demoram cerca de um mês até ficarem bem desenvolvidas. Depois param de se alimentar e começa a grande transformação... 

A metamorfose completa  deste insecto ( ovo, lagarta, crisálida e borboleta/insecto adulto) é, para mim, uma das maravilhas da Natureza!

As fotografias seguintes são de 2009, fazem parte de uma série de vinte e para as conseguir estive meia hora ao sol, imóvel e escondida no meio da lantana (que me fazia uma comichão horrível).  Mas acho que valeu a pena!




A borboleta-cauda-de-andorinha é uma borboleta diurna que pode atingir de 6 a  8cm de envergadura, sendo uma das maiores borboletas diurnas de Portugal (creio que a maior é a borboleta-do-medronheiro).
O seu nome científico é Papilio machaon

Cada vez vejo menos borboletas nos quintais, nos campos ou jardins. São uns insectos tão belos e com um papel muito importante na polinização.
Embora a borboleta-cauda-de-andorinha seja frequente em Portugal corre sérios riscos, devido ao uso de herbicidas e sobretudo pela destruição dos habitats.

A vida da borboleta é curta mas muito intensa!
Será que quando  tem asas,
Se lembra de ter sido lagarta?
Voa de flor em flor 
Baila com o vento
Até que as suas asas começam a desfazer-se...
A vida é tão breve!

Mena





sábado, 3 de julho de 2021

Árvores

CATALPA


A catalpa é uma árvore ornamental, hermafrodita e de folha caduca. Destaca-se na Primavera pelas suas flores abundantes e muito vistosas. É uma árvore de crescimento rápido sendo muito utilizada em parques e jardins. O género Catalpa incluí algumas dezenas de espécies mas a mais frequente no nosso país é a Catalpa bignonioides Walter.

Como é uma árvore bastante frondosa, a sua sombra é muito apreciada.
Folhas , flores e frutos. Os frutos já secos são do ano anterior.
As folhas simples, de cor verde clara e textura aveludada na página superior, sãbastante grandes.

As flores da catalpa têm um perfume suave, são brancas com manchas amarelas ou purpúreas. A corola tem de 3 a 5cm.

O fruto parece uma vagem mas não é! É uma cápsula pendente com cerca de 30 cm de comprimento. Muitos frutos permanecem na árvore de um ano para o outro.
Esta espécie de Catalpa é originária da América do Norte e pode atingir até 15m de altura se não lhe fizerem uma poda drástica como muitas que vemos serem feitas por aí, desfigurando as árvores. Estas por enquanto, e espero que para sempre, estão a crescer em liberdade!
      A planta tem várias utilizações medicinais com excepção da raiz que é tóxica.
O ritmo da Natureza lembra-nos que a Terra pode bem continuar sem nós e expõe as nossas fragilidades enquanto seres vivos. Continuamos a travar uma luta desigual contra um inimigo invísivel que muda continuamente e procura ser mais devastador para nós,  na sua estratégia de sobreviver. Temos que continuar a proteger-nos o mais possível e ter esperança que  dias melhores virão.

terça-feira, 22 de junho de 2021

Verão 2021

 Chegou o Verão!

Parece que o Verão, no hemisfério norte, começou ontem.

Com dia e hora marcados: dia 21 de Junho, às 04h 32 minutos.

Vai ser Verão durante 93 dias! 

Do dia de ontem recordo o céu coberto de nuvens, vento, ameaça de chuviscos...

Mas ao fim do dia lá apareceu o sol para dar um pouco de alegria ao primeiro dia de Verão.









À noite arrefeceu bastante mas sempre se disse " Guarda o melhor tição para o mês de S. João"...

Com estas cores e nuvens ao pôr-do-sol, diria que o dia de hoje haveria de ser semelhante ao de ontem!

Mas não! O dia amanheceu com céu azul e nuvens de algodão. Só o vento forte, destoou neste segundo dia de Verão.

Nos campos que já foram verdes, dominam os tons de castanho.

O pasto já está cortado e espera-se  que  fique  bem seco para ser enfardado.



O lago da barragem está cheio. Como tem chovido pouco, só pode ser um transvase do lago do "santo Alqueva". Os canais estendem-se já a mais de uma centena de km da barragem de Alqueva  e as águas regam amendoais, olivais e outras culturas ...

Uma libélula quase transparente está camuflada no caminho.


A cenoura-brava ainda em flor e já com o fruto bem enrolado para proteger o seu tesouro de sementes. A vida a seguir o seu rumo...

Indiferentes aos dramas dos humanos, as nuvens passeiam embaladas pelo vento .

Vão-se mirando nas águas e penteando as suas cabeleiras de algodão.




O segundo dia de Verão chegou ao fim. Nem um vislumbre de núvem ao pôr-do-sol.

Tons fortes de vermelho e laranja.

Quer  dizer que amanhã vai estar calor. Seria esta a leitura deste pôr-do-sol.

Isso era dantes, agora o melhor é consultar o IPMA!

Mena